31 de julho de 2016

Ah, esses sonhos que parecem vir do nada

Hoje, acordei de um sonho no qual tive um diálogo super emotivo com minha querida tia madrinha Erotides, a nossa querida tia Tide. 
Nele eu tentava mostrar tantos momentos felizes que vivemos juntos em família. Mas, tia Tide me dizia que, também vivera momentos tristes. 
Foi tentando convencê-la do quanto eu havia sido feliz tantas vezes em que estivémos juntos que meu rápido sonho verspertino foi terminando.... Eu perguntava o nome da rua onde  ficava o sobrado, em que eles moravam.... naqueles dias do casamento da Glorinha com o Nelson
.. Rua Terracota, ela me respondeu... O nome da rua não corresponde à realidade. Nem a encontrei no Google Maps.... Não sei o porque de "Terracota"...
Mas acordei com um sabor de saudade boa e lembrei-me de um texto que escrevi para o tio e primos, por ocasião da partida de tia Tide. Aqui está ele:

Meus Queridos
Tio José, Glória, Dudu

Palavras apenas delineam aquilo que é a verdade. Elas não explicam uma cor. Elas não explicam um perfume. O que se dirá dos sentimentos, das emoções...
Só posso lhes dizer que, por ocasião da partida de meu pai, experimentei um sentimento certamente muito parecido com o que vocês sentem agora. Imagino como vocês devem estar.
Como tia Tide e tio José eram meus padrinhos, acredito que por estar entre
os guardados de minha mãe, esta foto seja do dia de meu batizado

Como sobrinho da querida Tia Tide, tenho toda uma história guardada em meu coração. Primeiro, de domingos felizes da minha infância, quando os tios e primos vinham a casa da vovó. Ansioso esperava a chegada de vocês. Depois, dos Natais, ah os Natais! A tia Tide bonita e gordinha como todas as Marcatti. Barriga na pia, com minha mãe e as tias. Preparando o almoço da família.
O tempo vai passando, a vida da gente se complicando e aquela felicidade dos encontros, quando éramos apenas crianças, foram sendo substituídos por encontros na tristeza da perda de gente querida.

Certamente estas palavras dizem muito pouco dos nossos sentimentos mas indicam o que está guardado dentro de nós.

Na minha história existe um grande capítulo reservado para a tia Tide, tio José e para vocês, meus primos queridos. E é nesse lindo capítulo que eu tento aquietar minha tristeza, saboreando o tanto que vocês representam nessa minha caminhada.
Exatamente a parte mais pura da minha vida.

Tide, querida, minha madrinha, tia: Leve meu beijo para meu pai, para a Luizinha, para o vô Luigi e vó Maria, para o tio Francisco, tio Toninho, tia Irma e tio José, tio Prudon. Diga-lhes que - como a senhora - eles sempre estarão vivos em nós, até que um dia nos encontremos de novo, em felizes almoços de Domingo!

Aldo Della Monica

*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quando o saco já perdeu a elasticidade

    AI, ENTÃO..... você vai com a mulher à feira e está comentando sobre as atitudes do prefeitinho de São Paulo. Enquanto isso, a companh...