2 de março de 2016

Elzinha quer ser professorinha

faz tanto tempo, não lembro
da primeira chave da casa
que me foi confiada

hoje todas as cópias
À sombra da mangueira
da piracicaba  menina
Elzinha brinca de mocinha
vai ser professorinha
estão em meu poder
ninguém me espera entrar por aquela porta
ninguém para abri-la pra mim
hoje, só eu as tenho
todas as cópias
para abrir a porta deste vazio imenso
em que a casa paterna se transformou
não existe casa paterna sem pai nem mãe
é apenas uma casa de recordações.
ternas recordações

mas a criança não cresceu
não aprendeu a ser órfã
estou ficando velho
as chaves da casa estão comigo, todas

Velho,
órfão de minhas raízes
órfão de pai e mãe
refém de minhas saudades
órfão de meus grandes mestres
órfão de mim mesmo
posto que parti em grande parte
com a partida de quem meu deu a vida

Adeus.... adeus, elzinha.
a professorinha que você
tanto sonhou ser e não pôde,
a professorinha existe sim.
Na mais pura e perfeita expressão
Você foi a professora de tudo aquilo
  *02/03/1922
+ 22/06/2006
que verdadeiramente aprendi
de tudo o que eu quis ou não quís

Mãe é a grande professora que  
se pode ter nesta vida.

Mãe, professorinha ,
as provas desta vida
vão ficar mais difíceis sem você aqui

(aldo della monica)

Um comentário:

  1. Que lindo Aldo! muito comovente.
    A orfandade também me dói muito.
    Beijos meu amigo.

    ResponderExcluir

Quando o saco já perdeu a elasticidade

    AI, ENTÃO..... você vai com a mulher à feira e está comentando sobre as atitudes do prefeitinho de São Paulo. Enquanto isso, a companh...